Fonte: Revista Saúde Quântica / vol.5 –nº5 / Jan–Dez 2016

No mundo moderno percebemos que não podemos deixar de lado a consciência do ser humano, que o conjunto corpo/mente/espiritualidade deve estar em equilíbrio, que é o que as medicinas holísticas pregam.

A medicina Integrativa compreende-se como técnicas que visam a saúde do indivíduo como um todo, ou seja, não olhando esse indivíduo como existindo pela junção de partes isoladas, mas corpo/mente/espírito, isso seja na prevenção ou tratamento.

Sob o ponto de vista holístico, ao prestar assistência à saúde, o profissional visa harmonizar e equilibrar entre si todas as dimensões do ser humano, atuando não só no corpo físico, mas também nas energias mais sutis que formam seu ser – buscando o equilíbrio, a neutralidade e o bem estar, entendendo que a saúde não é apenas a ausência de doença e que estar BEM não significa apenas não ter este ou aquele sintoma.

As práticas integrativas estimulam os usuários a encontrar uma forma de se responsabilizar pela sua saúde e de viver mais saudável. Apresentam-se como resposta a muitos limites e lacunas paradigmáticos, diagnóstico-terapêuticos e políticos da medicina convencional.